10 de jan de 2018

Acabo de assistir "I, Tonya" e vos digo...

Chorei!

Eu não sei exatamente até que ponto o filme é verídico, principalmente em relação ao incidente. O filme mostra o quanto Tonya Harding sempre foi carente de atenção. Trata-se da versão do outro lado da história, e é contada com um certo ar de arrependimento.

Na minha opinião, isso é o que menos importa durante toda a trama.
O filme é rico em detalhes, os figurinos, a maquiagem, o cabelo, as cenas de patinação não deixam nada a desejar, quase não se percebe a dublê. Lembrando que Margot Robbin recebeu treinamento intensivo de patinação artística e exibe graça e elegância em vários momentos que ela mesmo filmou.

Em alguns trechos até esqueci que Margot Robbin não era a verdadeira Tonya!

Spoilers deixarei lá pro final, ok?


I, Tonya, estreou nos EUA em Dezembro e não tem data exata para exibição aqui no Brasil. A previsão é 2a semana de Fevereiro.

Falei mais sobre o tema aqui.





Com o lançamento de "I, Tonya", a ex-atleta voltou as holofotes, após mais de duas décadas do incidente mais famoso da história da patinação artística no gelo. Em dezembro, Tonya desfilou pelo red carpet, e na última semana, estava presente no Golden Globes, onde foi citada pela atriz Alison Jenney, que interpreta lindamente a mãe de Tonya.

O filme foi indicado ao Golden Globes em 3 categorias e Alison Jenney ficou com a premiação de melhor atriz coadjuvante.

É provável que "I, Tonya" ainda renda um Oscar!

O que todos sabemos, o que a mídia sempre noticiou, foi que Nancy foi acertada no joelho por um homem com um bastão, quando saía de um treino para as Olimpíadas. A intenção era quebrar a perna da patinadora para que ela não participasse da competição e Tonya levasse o título.




AGORA OS SPOILERS:

Durante toda a trama, é clara que a vida de Tonya foi marcada por abusos. Desde sua infância, com uma mãe completamente perturbada e posteriormente ao lado do companheiro, com que passou a vida entre idas e vindas, tapas, beijos e tiros. Tonya, casou-se para fugir da vida sofrida ao lado da mãe, que nunca lhe deu amor, carinho e atenção, e foi viver ao lado do único homem que um dia a achou bonita. 

A carreira da ex-atleta, como sabemos, sempre foi marcada pela sua falta de postura. Ela nunca seguiu os padrões. Sempre foi mais forte, mais estranha, com gosto musical duvidoso e estilo totalmente avesso ao glamour que a patinação artística sempre teve. 
Isso fica claro por um bom período, onde ela sempre é julgada artisticamente como sendo muito fraca.
Nada disso a impediu de ser a primeira atleta americana a finalizar um triple axel em competição. Na minha opinião, sempre foi o axel mais bonito de todos - a posição aérea dela é incrivelmente torta, mas ela finaliza com perfeição. Coragem, ela tinha!




No filme, a intenção do ex-marido de Tonya, era enviar cartas com ameaças a Nancy, pra que ela desistisse de competir, por medo de ser assediada, sequestrada, etc, porém o segurança de Tonya, melhor amigo de seu ex-marido Jeff, pessoa visivelmente desequilibrada psicologicamente, era "mandar ver" e fazer o serviço completo, por achar que somente cartas ameaçadoras não bastariam para "tirar Nancy da jogada". Aliás, Nancy Kerrigan, é pouco mencionada no filme.




Me emocionei muitas vezes durante o filme, pois se há um fundo de verdade nessa história toda, eu diria que hoje, eu sinto sim, muita dó de Tonya Harding. O filme fala muito sobre culpa. A vida dela, retratada nesta película, nos dá ideia de até onde o ser humano, que não recebeu educação, não teve parâmetros em sua formação de caráter e que supostamente passou por tantos abusos, pode se transformar.
Nancy Kerrigan foi vítima de pessoas gananciosas, problemáticas, sem noção alguma do que é bom senso e muito menos do que significa espírito esportivo. Tanto ela quanto Tonya, tiveram seus sonhos interrompidos.

Porém, Tonya Harding, também foi vítima e pagou da pior maneira possível! Foi impedida de fazer a única coisa que sabia, que era patinar. Triste, muito triste.
A cena do seu julgamento, é de cortar o coração.

É uma pena! Tonya Harding tinha tudo pra ser uma grande campeã no esporte, mas por falta de direcionamento, tomou o caminho errado e pagou o preço.

Imperdível!!!!!!!!

Se você não aguenta esperar até Fevereiro, me escreva que te passo o link do filme em off.


4 comentários:

  1. Respostas
    1. me manda um email, que eu te retorno patinandoecantando@gmail.com

      Excluir
  2. Gente esses pais violentos teriam que ser punidos, assim como a mãe Tá existem muitas aí ainda , uma moça com tantos talentos, mas mal amada em todos os sentidos ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talento ela realmente sempre teve de sobra. Uma pena não ter psicológico

      Excluir

Patine conosco, deixe seu comentário